De que adianta "direitos garantidos" na lei se o Estado não tem dinheiro para cumpri-los? | Instituto Mercado Popular