Manifestantes, prisão preventiva e o pesadelo kafkaniano | Instituto Mercado Popular