Classe, política identitária e estigmergia: Por que não precisamos de “um grande movimento” | Instituto Mercado Popular