As raízes liberais-libertárias: Quem são e o que defendem os Bleeding Heart Libertarians?

por Valdenor Júnior

 

Se você leu a primeira postagem deste blog, você já sabe que o Mercado Popular tem como principal inspiração o blog Bleeding Heart Libertarians (BHL), tanto no que diz respeito ao formato como à discussão em torno da consistência entre justiça social e ampla liberdade individual.

E você pode estar se perguntando a essa altura: para quê mais esse rótulo “bleeding heart libertarianism”? O que se pretende fazer do libertarianismo e liberalismo ao adotar essa denominação? Quem são essas pessoas que se denominam assim? Esse texto destina-se a tirar essas dúvidas.

Histórico

O primeiro uso do termo “bleeding heart libertarianism” foi feito por Roderick Long, no texto “Beyond the Boss”, e traduzido pelo nosso colaborador Erick Vasconcelos aqui.

Na passagem, Long considera que estaríamos vendo o início de um ressurgimento de um libertarianismo igualitário, compassivo, “bleeding-heart”, que tinha caracterizado o movimento libertário em grande parte de sua história, até o século XIX. O século XX teria sido um desvio nessa tradição, predominando um perfil de libertário insuficientemente sensível às perspectivas dos pobres, dos trabalhadores, das mulheres e das minorias, e essa “aberração histórica” teria ocorrido sob influência de uma aliança entre libertários e conservadores para fazer frente ao socialismo estatista e da ética de Ayn Rand.

Logo em seguida, faz uma afirmação que resume a preocupação essencial do bleeding heart libertarianism: “O novo libertarismo, portanto, precisa levar mais a sério as preocupações da esquerda, pois, de várias formas, elas são também suas preocupações. Mas pode ele responder a elas?”

Após isso, outras pessoas usaram o termo ocasionalmente. A consolidação deste termo como representando determinada forma de pensar libertário veio a ocorrer com a criação do blog Bleeding Heart Libertarians, em 03/03/2011, por Matt Zwolinski. Este blog, de caráter acadêmico, reúne vários nomes, dentre eles, além de Zwolinski, o já mencionado Roderick Long, Kevin Vallier, Jason Brennan, Jessica Flanigan, Gary Chartier, Sarah Skwire, Steven Horwitz, entre outros. É um time diverso, formado por filósofos, economistas, cientistas políticos e sociólogos.

309329_386251188102128_1242727442_n

Na postagem inicial, Zwolinski esclarece que o blog foi criado para servir como um fórum de filósofos acadêmicos que são atraídos tanto pelo libertarianismo/liberalismo como por ideias de justiça social ou distributiva (vide conceito aqui). Apesar da diversidade de opiniões, o que os une é o apreço pelos mecanismos de mercado, cooperação social voluntária, direitos de propriedade e liberdade individual, motivada em grande medida pela maneira como essas coisas contribuem para valiosos bens humanos, em especial na maneira em que capacitam aqueles membros mais vulneráveis da sociedade a realizar esses bens.

No Brasil, o Instituto Ordem Livre traduziu alguns dos textos do blog em 2012, mas apenas de maneira esporádica e muito limitada. Percebendo que havia pouco material em português, resolvi criar um blog que defendesse explicitamente o bleeding heart libertarianism e servisse à divulgação e discussão dessa perspectiva, no início deste ano. Agora, também contamos com o recém-criado Mercado Popular e novas traduções são publicadas com alguma frequência pelo Portal Libertarianismo – no que estou colaborando também. Ao que tudo indica, a discussão sobre as ideias BHL em língua portuguesa deve aumentar consideravelmente no próximo ano.

Por que o termo “bleeding heart”?

Literalmente, “bleeding heart” seria traduzido como “coração ferido”, “coração sangrando”. A tradução mais correta seria “sensível” ou “sentimental”. O motivo para isso é fazer uma espécie de ironia: a esquerda norte-americana geralmente foi rotulada como “bleeding heart”, “sentimental”, pelos conservadores, para dizer que a esquerda estadunidense era exageradamente preocupada com os fracos e oprimidos. Por isso a ideia de se denominar como um “bleeding heart libertarian” é falar de um libertarianismo sensível à perspectiva das pessoas mais pobres, das minorias e outros grupos marginalizados.

Por conta desse contexto especificamente norte-americano, eu optei em meu blog por não traduzir o termo, e, aqui, também seguirei a mesma opção.

Qual é o diferencial do bleeding heart libertarianism em relação às outras correntes libertárias e liberais?

O objetivo dessa corrente é quebrar as barreiras linguísticas e políticas que separam a defesa libertária de ampla liberdade individual, incluindo econômica, e a preocupação “de esquerda” com inclusão e justiça social. Contudo, existem duas formas principais de fazer isso, e mesmo uma terceira, que podem ser consideradas como “subdivisões” do bleeding heart libertarianism.

1) Liberalismo clássico BHL, liberalismo BHL, liberalismo neoclássico, “strong bleeding heart libertarianism” ou “onde Hayek encontra Rawls”:

Geralmente, quando você ouvir falar em “bleeding heart libertarians”, sem nenhuma outra especificação, muito possivelmente estão falando desse grupo. O principal motivo é que esse grupo não tinha um rótulo definido, e a maioria deles se identificaria como libertários ou liberais clássicos apenas. Algumas tentativas de rotulá-lo foram feitas: “liberalismo neoclássico”, por Jason Brennan e John Tomasi, “Strong BHL”, por Matt Zwolinski e “liberalismo BHL”, por Kevin Vallier, e mesmo “Hayek encontra Rawls”, por Roderick Long. Eu considero de bom uso o termo “liberalismo clássico BHL”.

Esta corrente é formada por liberais clássicos que adotam a conceituação de justiça social predominante na filosofia acadêmica atual. A ideia é desafiar a classificação dicotômica entre o liberalismo clássico, que defende liberdade econômica, e o igualitarismo de esquerda, que defende justiça social, a partir de um compromisso moral mais exigente: liberdade econômica e justiça social.

Segundo Matt Zwolinski, a ideia é que a justiça social tenha um papel justificativo e mesmo de revisão das instituições libertárias. Instituições legais libertárias devem ser avaliadas conforme um padrão de justiça social, e, caso se constate que determinado grupo social é deixado para trás, é preciso revisar essas instituições de modo que elas possam beneficiar também essas pessoas ao longo do tempo.

Entres as principais referências dessa linha de pensamento, podemos citar Matt Zwolinski, Kevin Vallier, Sarah Skwire, Jason Brennan, Jessica Flanigan, Gerald Gaus, David Schmidtz, Will Wilkinson e Charles Griswold. Alguns defendem versões modificadas do rawlsianismo, outros o liberalismo da “razão pública”, e outros têm uma abordagem mais pluralista ou de outra natureza.

Esse tipo de liberalismo também pode ser designado como “liberalismo da Universidade do Arizona”. Isso porque essa Universidade é uma referência de filosofia política nos Estados Unidos, e nela funciona o Center for the Philosophy of Freedom, cujo diretor é o David Schmidtz. Matt Zwolinski, Jason Brennan e Kevin Vallier obtiveram PHd nesta Universidade, Gerald Gaus e David Schmidtz são professores nela.

Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

2) Anarquistas left-libertarians BHL,  libertários de esquerda BHL, “Labor BHLs” ou “Rothbard encontra Chomsky”:

Ainda que o bleeding heart libertarianism como um todo possa ser considerado à esquerda no que diz respeito ao libertarianismo, historicamente já havia um grupo denominado como “left-libertarians”, com visões bem específicas. Alguns deles também se consideram BHL’s. De acordo com Roderick Long, esse grupo adota um liberalismo mais radical, e concepções esquerdistas mais radicais de justiça social, sendo este seu diferencial em relação ao grupo anterior. Seria algo como “Rotbhard encontra Chomsky”, ao invés de “Hayek encontra Rawls”.

A ideia aqui é o chamado “anticapitalismo de livre mercado”, que pode ser um termo bastante enganoso à primeira vista. Essa visão remonta aos inícios do movimento operário europeu no século XIX, onde, segundo Roderick Long , teóricos libertários como Thomas Hodgskin, Herbert Spencer, Lysander Spooner, Benjamim Tucker, Voltairine de Cleyre e Dyer Lum advogaram a substituição, total ou parcial, do sistema de salário e de firmas hierárquicas, em favor de uma economia em que trabalhadores fossem geralmente proprietários independentes ou membros de cooperativas de trabalho, ou seja, um mundo sem chefes. Muitos deles se denominavam de “socialistas”, mesmo defendendo mercados livres e relações sociais voluntárias.

Perceba: eles aceitam plenamente o livre mercado, até de forma bem radical, contudo, assumem que este importará em uma forma de economia substancialmente diferente do atual capitalismo realmente existente, sendo menos dominada por grandes empresas e onde os trabalhadores terão mais opções fora do trabalho assalariado, de modo que o objetivo socialista originário anti-estatista – os trabalhadores serem (ao menos potencialmente) donos dos meios de produção e terem mais controle sobre suas vidas e trabalho – pode ser alcançada em mercados adequadamente libertos de monopólios criados pelo Estado.

Entre as principais referências, estão Roderick Long, Gary Chartier, Charles Johnson e Kevin Carson. Alguns são rothbardianos de esquerda, outros são mutualistas. A principal obra de referência pode ser encontrada aqui.

Veja mais aqui e aqui, aqui, aquiaqui e aqui.

3) Outros (contigent BHLs, weak BHLs,  BHls afins, simpatizantes, BHLs “dissidentes da justiça social”, etc.):

Esse grupo foi denominado por Matt Zwolinski de contigent BHLs, o que significa que se trata de libertários de um pensamento libertário padrão, mas que dão uma ênfase muito grande sobre como o livre mercado e robusta liberdade individual beneficiam os mais pobres e os grupos marginalizados. O “contingente” se deveria ao fato de que a justificação do livre mercado não depende desse fato, ainda que este seja enfatizado.

Eu na verdade acho que esse rótulo de “contigente” não faz jus à robustez de uma posição bleeding heart que pode ser encontrada entre os que cairiam nessa classificação. Mesmo sem adotar o termo “justiça social”, o resultado pode ser bem semelhante, já que, mesmo que a razão para ser libertário não seja a mesma dos liberais clássicos BHL, o “como ser um libertário” é muito semelhante. O próprio Zwolinski parece ter endossado isso, ao refinar esta posição dizendo que é possível ser BHL e não usar a palavra “justiça social”. Eu preferiria o termo “BHLs dissidentes em relação à justiça social”.

Uma defesa robusta do livre mercado enquanto um conjunto de instituições que precisam ser aceitáveis para todas as pessoas em uma sociedade pode ser feita por libertários que adotem um critério de “unanimidade” contratualista ou da economia política constitucional, ou que endossem um princípio de minimização do sofrimento, como fundamento para as instituições legais.

Entre os nomes de referência dessa linha, estão Steven Horwitz, Jacob Levy, Jayme Taylor e Andrew Cohen. Também se pode incluir Brink Lindsey. Veja mais aqui, aqui, e aqui.


valdenor

Valdenor Júnior está se graduando em Direito pelo Centro Universitário do Estado do Pará. Desde janeiro de 2013, tem um blog onde discute seus principais interesses: filosofia política, filosofia do Direito e economia, com foco na compatibilidade entre livre mercado e justiça social, bem como psicologia evolucionária, antropologia e biologia evolucionária, com foco em explicações darwinianas da natureza humana. Com Darwin aprendeu a valiosa lição de que entender o babuíno é mais importante do que se imagina.

 

If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.

Comments

comments

Related articles

Copyleft

Licença Creative Commons

ATENÇÃO: Se a gente descobrir que você está republicando conteúdo daqui sem autorização, nós vamos descobrir seu endereço e te mandar um cartão de agradecimento

.

Back to Top